Monday, July 13, 2009

Uma brilha aos 50 anos de carreira, outra se apaga aos 50 anos de idade.



Sei que todo mundo espera alguma coisa de um sábado à noite, e eu esperava tudo menos asistir ao show de Roberto Carlos 50 anos. Fiquei super animada quando soube que ia passar, e fui logo ver se poderia asistir ao vivo pela internet. Conseguimos graças ao site que Marquinhos nos enviou! J

Ao asistir o rei , entre tantas emocoes que eu sentía a cada cançao, comecei a lembrar e associar os 50 anos de carreira dele com o tempo de vida (e quase de carreira também) de outro rei: de Michael Jackson.

Comecei a lembrar do dia em que eu soube que ele tinha partido. Estavamos chegando em casa, quando o silencio da noite foi interrompido por Billie Jean na maior altura, era o som de outro carro que passava. Bastou ouvir um pouquinho desse som para vir aquela vontade de dançar e gritar Michael! Mas a gente nem sabia da noticia que estava por vir. Quando entramos, Alice, a dona da casa, falou algo para Brad, e eu nem prestava atençao por estar trocando de roupa, ainda sob o efeito de Billie Jean na cabeça. Foi quando ouvi meu amor falando: - Oh no! – Karina, voce ouviu isso? – e eu respondi com outra pregunta quando ele me disse a triste novidade… Michael Jackson morreu! – Meu Deus, logo entendi o porque que o som do carro ao tocar Billie Jean estava tao alto, foi num tom de homenagem, de despedida talvez, alguem gritando que ele nao morreu, nunca morrera. Silvia me falou que parece marketing, ela tem razao, eu logo imaginei ele na nova turne comecando o show com a introducao de Thriller, saindo de um daqueles caixoes do cemiterio, juntando-se aos dancarinos e dando aquele show de sempre. Ele sonhava viver na terra do nunca, para nunca crescer, será que era porque pensava que um dia poderia ficar igual ao seu pai? Por isso tantas plásticas, tantas mutacoes, tanta fuga da realidade com tantos remedios? O que será que ele perdeu na infancia que quería resgatar depois de crescido? E por que nao conseguiu alcancar o objetivo? Espero ter podido alcancar agora, la em cima, perto das estrelas que nunca se apagam, que possa voar como nos seus sonhos de Peter Pan, que possa ter encontrado, finalmente, a paz.

Ah, e continuando a comparacao com o outro rei, Roberto Carlos, sao 50 anos de carreira, 50 anos de love songs, na época da ditadura, enquanto outros usavam a inteligencia para compor musicas de protesto, ele usava a dele para compor cancoes de amor, tema que sempre toca o coracao da gente. Alguns falam que ele se aproveitou, que foi proposital, mas e dai? O que ele fez foi sucesso, se nao fosse, ele nao estaria ainda depois de 50 anos, nos causando tantas emocoes.


3 comments:

Marianna Gomes said...

Amigaaa, amei seu post. Como sempre vc e sua sensibilidade. Fiquei imaginando vc aq sabendo da triste notícia. Eu estava em Salvador assistindo Tv qnd falaram no JN que ele estava em coma, e eu ainda cheia de esperanças, depois a triste confirmação :\. Que pena que não deu para ele fazer seus shows, nem para eu ve-lo aqui no Brasil, tinha esperança disso ainda. Vc escreveu muito bem sobre a alma dele, o Peter Pan que era no sonho e tantos problemas na realidade. Só queria que a familia dele pudesse pelo menos agora deixa-lo em paz, porque ohhh familiazinha terrível viu... Qnd voltei do teatro tb assistei uma parte do show do Rei, foi emocionante. Que bom que vc conseguiu assistir tb ;) Bju amiga boa semana!

mariana said...

Oi Karina!!
Adorei a visita!! E olha.. estou muito feliz em ter conhecido alguém que está passando pelo mesmo que eu!!
Vou ficar acompanhando teu blog, posso?? Quero ver tuas aventuras pelos EUA!!
beijos

Raiana Reis said...

Kaika, amei seu comentário no blog, claro que é também pra mim uma felicidade imensa em tê-la como amiga, vc e sua família fazem parte da minha vida pra sempre, e fico feliz por esse amor correspondido... rsrsrs
Receber elogios seus me envaidecem, espero poder aprender a cada dia com incentivos como os seus.
Adorei também esta analogia entre os reis...
Beijos no seu coração linda!!
Manda um abração pro Brad.